domingo, 17 de maio de 2009

A Força da Formiga
Era uma vez o rei “Leão” que estava muito cansado para comandar a floresta, por achar a raposa esperta pediu para que ela fizesse seu trabalho passando-lhe todas as informações e acontecimentos da floresta bem como todas as suas decisões.
A raposa por sua vez com plenos poderes, começou a querer levantar vantagem em tudo e a mandar em todos de forma autoritária e a mandar em todos de forma autoritária e assim os problemas começaram a aparecer.
Então os animais ficaram doentes, deprimidos, sem estímulos. E assim a floresta ficou sem vida, mas o “Leão” achava que estava tudo bem, pois a raposa não lhe passava as informações.
Foi assim que as formiguinhas que estavam em todos os lugares, começaram a se organizar para que os outros animais formassem outra comunidade, onde houvesse colaboração, solidariedade, conscientização e assim todos voltassem a viver em harmonia.
Por fim o “Leão” e a raposa encontraram-se solitários e descobriram que só a união constrói a felicidade e a realização.
Moral da história:
Quem só pensa em si, fica sozinho.
Professoras: Patrícia, Marli, Vânia, Alex Sandro, Zélia, Yara, Roseli.
Realização: da Assessoria Pedagógica Interativa
Data;
16 / maio/2009
Curso: Fábulas e a Moral da História.




























quarta-feira, 6 de maio de 2009


Uma noz foi levada por um corvo até o topo de um alto campanário e, caindo numa fresta na parede, conseguiu escapar ao seu terrível destino.
Ela então suplicou à parede que a abrigasse, invocando a Graça de Deus, louvando a sua altura e beleza, e o nobre tom de seus sinos.
“Ai de mim!”, continuou, “como não fui capaz de cair sob os verdes ramos da minha velha mãe e me deitar no terreno pousio coberto por suas folhas secas, você, pelo menos, não me abandone. Quando me vi no bico do cruel corvo, jurei que se escapasse terminaria a minha vida num pequeno buraco.”
Ouvindo estas palavras, a parede, compadecida, de bom grado abrigou a noz ali onde ela havia caído.
Em breve, a noz se abriu: as raízes se estenderam pelas fendas forçando a passagem; os brotos avançaram em direção ao céu. Logo estavam mais altos que o prédio, e à medida que as raízes retorcidades engrossavam iam derrubando paredes e deslocando as velhas pedras.
Então a parede, tarde demais e inutilmente, lamentou a causa de sua destruição, e em pouco tempo só restavam ruínas.
Leonardo Da Vinci, 1452 - 1519
*****
Evite o infeliz e azarado, pois estados emocionais são tão contagiosos quanto as doenças. Ele contaminará você e causará seu próprio desastre.

segunda-feira, 4 de maio de 2009


Seja Feliz!


A formiga e a cigarra (sensacional)

Era uma vez, uma formiguinha e uma cigarra muito amigas.
Durante todo o outono, a formiguinha trabalhou sem parar, armazenando comida para o período de inverno.
Não aproveitou nada do sol, da brisa suave do fim da tarde e nem o bate-papo com os amigos ao final do trabalho tomando uma cervejinha gelada.
Seu nome era 'Trabalho', e seu sobrenome era 'Sempre'.
Enquanto isso, a cigarra só queria saber de cantar nas rodas de amigos e nos bares da cidade; não desperdiçou nem um minuto sequer. Cantou durante todo o outono, dançou, aproveitou o sol, curtiu prá valer sem se preocupar com o inverno que estava por vir.
Então, passados alguns dias, começou a esfriar.
Era o inverno que estava começando.
A formiguinha, exausta de tanto trabalhar, entrou para a sua singela e aconchegante toca, repleta de comida.
Mas alguém chamava por seu nome, do lado de fora da toca.
Quando abriu a porta para ver quem era, ficou surpresa com o que viu.
Sua amiga cigarra estava dentro de uma Ferrari amarela com um aconchegante casaco de vison.
E a cigarra disse para a formiguinha:
- Olá, amiga, vou passar o inverno em Paris.
- Será que você poderia cuidar da minha toca?
- E a formiguinha respondeu:
- Claro, sem problemas!
- Mas o que lhe aconteceu?
- Como você conseguiu dinheiro para ir à Paris e comprar esta Ferrari?
E a cigarra respondeu:
Imagine você que eu estava cantando em um bar na semana passada e um produtor gostou da minha voz.
Fechei um contrato de seis meses para fazer show em Paris...
À propósito, a amiga deseja alguma coisa de lá?
Desejo sim, respondeu a formiguinha.
Se você encontrar o La Fontaine (Autor da Fábula Original) por lá, manda ele ir para(...)!!!"
Moral da História:
Aproveite sua vida, saiba dosar trabalho e lazer, pois trabalho em demasia só traz benefício em fábulas do La Fontaine e ao seu patrão.
Trabalhe, mas curta a sua vida. Ela é única!!!
Se você não encontrar a sua metade da laranja, não desanime, procure sua metade do limão, adicione açúcar, gelo, e...
Seja feliz !